Proposta Pedagógica PDF Imprimir E-mail


Construtivista Sócio-interacionista,
integrando conceitos da Psicologia Social.

Valores:

construção do conhecimento (a redescoberta pelo aluno do próprio conhecimento científico) estimulando sua aplicação;
Aprender é apaixonante; a criança é naturalmente curiosa. Isto significa que ela é espontaneamente motivada à aprendizagem. O desinteresse da criança resulta de situações em que foi agredida em seu desejo de investigar o mundo. Cabe ao educador manter e alimentar esta curiosidade inata.
Cabe ao educador provocar o aluno a aplicar seu conhecimento, levá-lo a fazer. Conhecimento que não tem aplicação prática não é conhecimento. Ao praticar o aluno tem a oportunidade de confrontar a ilusão do conhecimento com a realidade efetivamente conhecida. Aproximar estas duas dimensões do saber é efetivamente conhecer.

relações que se processam em grupo e na sociedade.
A aprendizagem se dá principalmente no grupo. É no confronto com o outro que percebemos nossa forma de pensar o mundo, nossas semelhanças e diferenças.
O educador deve estar atento ao juízo de valores expresso pela criança ao contar fatos, contribuindo para a formação ética da mesma.
A prática educacional deve ser orientada para propiciar a descoberta de que conviver com outras crianças é prazeroso.
O respeito ao semelhante e o amor são construções, envolvem a capacidade de apostar em si mesmo, no outro e na busca de conhecimento. Amar envolve constatar as próprias incompetências, o que traz como conseqüência o aumento da tolerância em relação ao outro. Amar envolve a capacidade de rir de si mesmo, dos próprios erros. Pressupõe a capacidade de correr riscos, de apostar na capacidade de aprender, de transformar a si e ao mundo.
Estimular a heterogeneidade do grupo é fundamental na construção da identidade do indivíduo. Para tanto, a observação constitui-se em instrumento básico. É fundamental buscar o entendimento do perfil do grupo com o qual se trabalha. O ensino tradicional, de características autoritárias, trabalha o grupo para torná-lo homogêneo, nega as diferenças individuais, cobra dos alunos que todos dêem respostas iguais às situações-problema apresentadas. Esta linha de trabalho, estimula a diferença. O conhecimento vai sendo construído pelo grupo à medida em que cada um emite sua opinião, cabendo ao professor sistematizar e ampliar este conhecimento.

conquista da autonomia através do desenvolvimento das habilidades.
A escola deve ser um espaço estimulador da capacidade de se expressar através da arte, orientando-se para o desenvolvimento da capacidade criadora.
A ação educacional pressupõe a capacidade de encorajar a criança a formular seus próprios conceitos, expressando-os através de distintas linguagens.


Espaço:
acolhedor, seguro
e estimulador de novas experiências.

A criança deve participar do planejamento e ocupação do espaço da sala de aula; organizá-lo de forma a facilitar as atividades diárias . Esta construção e descoberta conjunta do espaço físico é o alicerce para a apropriação do conhecimento da criança em idade de creche e pré-escolar.


Ações Pedagógicas Planejadas:

O educador é um provocador. Sua atuação deve orientar-se para desafiar a criança a solucionar problemas de seu interesse.
Encaminhamentos - Refere-se à tarefa. Sabendo-se que grupo é um conjunto de pessoas em cumplicidade, que desejam algo em comum, entende-se que a tarefa consiste na possibilidade de ordenar o pensar, de testar o que o grupo já sabe e o que não sabe. A tarefa não pode ser muito fácil, nem muito difícil. Ela deve ser desafiadora, mas possível de ser executada;
Intervenções - É a pergunta feita com o objetivo de provocar o outro, levando-o a pensar. Pensar é a força básica que desencadeia o conhecimento. Formular perguntas instigantes da curiosidade pressupõe o diagnóstico de papéis e daquilo que o aluno sabe e do que não sabe. Ao perguntar ele deve reagir ao conhecimento padronizado, às respostas iguais, já ditas, estimulando a heterogeneidade, a divergência de opiniões. A pergunta deve provocar ansiedade. Sem ansiedade não há aprendizagem. Dosar a ansiedade é uma habilidade que o educador precisa desenvolver;
Devoluções - Envolve a interação dos dois movimentos anteriores. Há necessidade de uma sistematização organizada, formalizada. É o momento da exposição do professor, no qual ele amplia o conhecimento do grupo. Esta proposta, intencionalmente inverte os passos da aprendizagem. No ensino tradicional, a aprendizagem é iniciada pela aula expositiva, que apresenta o conteúdo de forma sistematizada e ampliada. Na pedagogia aqui apresentada inicia-se pela expressão do que o aluno já sabe, estimula-se e desafia-se o grupo a pensar, trocar e buscar conhecimento. Estas informações são acolhidas e valorizadas, cabendo ao professor, ampliar este conhecimento e desafiar o grupo a ir além do que já sabe.

Instrumentos do Educador:

Observação (olhar com FOCO), Registro, Avaliação e Planejamento.
O educador deve buscar permanentemente desenvolver em si características que são essenciais ao desenvolvimento desta pedagogia, tais como a arte de buscar beleza no que se faz, cultuar a paixão pela tarefa, a paciência, a tolerância. A mudança do aluno não é imediata. É preciso saber esperar por ela, persistindo nas intervenções. O educador deve ser inquieto, insatisfeito com seus limites, buscando aprimorar-se continuamente. É um eterno aprendiz. Deve desenvolver, também em relação a si próprio, a tolerância, aprendendo a gostar de seus erros e a se desafiar a aprender com eles. É importante buscar a generosidade consigo mesmo, o respeito pelas suas tendências, aprender a transformar todas as características pessoais em forças construtivas.

 

A proposta educacional da Creche Casa de João-de-Barro combina estes e outros conceitos e autores, definindo uma pedagogia orientada para a construção da identidade pessoal e cultural da criança. Com freqüência, ao serem citadas distintas teorias, costuma-se dizer que se trata de ecletismo, uma espécie de mosaico, contendo um pedacinho de cada autor: montagem. A presente proposta não se constitui num mosaico. Dizer-se eclético é uma forma que tem sido utilizada para não se definir claramente a linha teórica do trabalho desenvolvido. Ao afirmar que são combinados distintos conceitos, pretende-se expressar uma química, algo de peculiar, sugerindo-se uma pedagogia com identidade própria, fruto de estudo, de reflexão sobre o fazer pedagógico com distintos grupos.

Creche Casa de João de Barro - educação e proteção vêm do ninho.